Globo – Em rota de colisão com um novo formato tecnológico

bessinha sim sim sim

No final de 2015, a Globo lançou seu aplicativo Globo Play, um serviço de vídeo sob demanda que, a princípio, lembra produtos como Netflix: o usuário paga R$ 12,90 por mês e tem acesso a todo o seu acervo. Mas a novidade talvez tenha chegado tarde demais para salvar a emissora.

Muita gente pode achar um exagero o termo “salvar” para uma empresa que faturou R$ 12,4 bilhões em 2014. Isso representa cerca de metade da publicidade da TV aberta, segmento cujo market share supera, por sua vez, 50% de tudo que se anuncia no país. Porém, no dia seguinte ao lançamento, a comScore e a IMS divulgaram os resultados de uma pesquisa com latino-americanos que assistiram a algum vídeo online nos últimos três meses. E, pelo menos para essas pessoas, o vídeo sob demanda já é mais importante que a TV.

O vídeo pela Internet faz parte do cotidiano de 81% do público pesquisado, contra apenas 70% da TV aberta. No Brasil, os números são ainda maiores: 82% dos entrevistados veem vídeo sob demanda regularmente, contra 73% da TV aberta. Em média, os entrevistados assistem a 13,2 horas semanais de vídeos digitais, 7,8 horas a mais que os das emissoras tradicionais. O dispositivo preferido para vídeos é o smartphone, usado em 80% dos casos. E o tempo gasto nessas telinhas, 5,2 horas semanais, é praticamente o mesmo dos dedicados à TV aberta e à TV fechada, que somam 5,4 horas semanais.

Outro dado emblemático revelado pela pesquisa é a idade dos consumidores de vídeo online. O maior grupo, de 15 a 24 anos, representa 30% do total, seguido pelo de 25 a 34 anos (26%) e o de 35 a 44 anos (22%). Ou seja, 56% dessas pessoas estão na faixa etária que liderará a vida econômica de seus países nas próximas décadas, começando agora. E, é aí que a situação da Globo e das outras emissoras se complica.

Modelo caduco

Então por que o Globo Play não seria suficiente para recolocar a Globo no caminho desse grupo de telespectadores? Porque, apesar de ter um modelo de cobrança e uma tecnologia semelhantes aos da Netflix, ele insiste em um estilo que as pessoas não aceitam mais. Uma diferença fundamental entre os dois serviços é que, quando a Netflix lança uma nova série, ela publica todos os episódios de uma só vez. Já o Globo Play não coloca na Internet nada que não tenha passado antes na telona. Nada de ver, portanto, todos os capítulos da séreie de uma só vez, como clientes do Netflix estão acostumados a fazer.

Ou seja, o usuário da Vênus Platinada continua preso à grade da programação, um modelo que caducou na cabeça das novas gerações. Cada vez menos, essas pessoas podem ser chamadas de espectadores, pois querem assumir o controle de sua experiência: o horário nobre é aquele que elas definirem, e o que passa nele é o usuário que escolhe.

Com relação a tecnologia digital, é sempre bom observar as crianças e os adolescentes. Eles são ótimos gurus de como será o comportamento da sociedade no futuro próximo. E algo constatado cada vez mais, é que essa turma simplesmente não assiste a nada na TV aberta. A telona serve para ver alguma coisa na TV por assinatura ou se conectar a serviços de vídeo sob demanda, o que realmente lhes interessa mais, de Netflix a ídolos teen no YouTube, conteúdos que consomem vorazmente. E o relatório da comScore corrobora minha observação, ao indicar que, entre o grupo pesquisado, a TV por assinatura já tem mais público que a TV aberta, indicando uma preferência por segmentação de programação.

O último movimento da Globo é interessante, sem dúvida, mas não o vejo como suficiente para convencer as gerações já acostumadas a ter o total controle do seu consumo de conteúdo a pagar por ele. No final das contas, continua sendo a velha TV, apenas com um novo formato tecnológico. O que o público quer, entretanto, é uma verdadeira ruptura de modelo. Observe-se que nem entrei no mérito da qualidade da programação da TV aberta.

Pelo menos temos agora a certeza que este vilão que serviu de controle em massa, desde a terrível ditadura brasileira, não será mais capaz de manipular a mente das futuras gerações, no Brasil. Com certeza estaremos livres de Golpes contra a democracia brasileira, de Faustãos, de BBBs e dos horários alterados  dos jogos do Corinthians, Botafogo e do Papão da Curuzu…. entre outras baboseiras que geraram fortunas a uma só empresa que manteve o monopólio das comunicações no Brasil. Como exemplo do poder de manipulação dessa emissora, tem-se que: o Brasil, atual, é o único país do mundo que existem negros, caboclos, índios, caipiras… capazes de se aliarem a Nazistas e onde se encontram pobres que votam em governos Neo-liberais.

Parte desse texto foi publicado originalmente no blog, “O Macaco Elétrico” (www.paulosilvestre.com.br).

 

Bancada Evangélica Congressista Golpista Versus Barrabás

Se essa situação toda de golpe na democracia brasileira não fosse trágica, poderia se dizer que é cômica. Quem acompanhou o desenrolar dos últimos acontecimentos, já deve ter percebido que se levantaram todo tipo de sujeira, saída dessa lama asquerosa. Num desses excrementos está a bancada Evangélica. Se essa trupi tivesse de crucificar novamente a Jesus Cristo, eles não pensariam nem duas vezes em libertar Barrabás… Que vergonha para os Cristãos.