Brazil’s Leaders Tout Austerity (Just Not for Them)

Firefighters shouting slogans during a public servants’ demonstration against austerity measures in Rio de Janeiro. 

SÃO PAULO, Brazil — Brazil’s sickly economy is hemorrhaging thousands of jobs a day, states are scrambling to pay police officers and teachers, and money for subsidized meals is in such short supply that one legislator suggested that the poor could “eat every other day.”

Still, not everyone is suffering. Civil servants in the judicial branch are enjoying a 41 percent raise. Legislators here in São Paulo, Brazil’s largest city, voted to increase their own salaries by more than 26 percent. And Congress, which is preparing to cut pension benefits around the country, is now allowing its members to retire with lifelong pensions after just two years in office.

Brazil is struggling to pull out of its worst economic crisis in decades, and President Michel Temer says the country needs to curb public spending to do so.

Yet it did not help his dismal approval ratings when he hosted a lavish taxpayer-funded banquet to persuade members of Congress to support his budget cuts, with 300 guests eating shrimp and filet mignon.

Outside such rarefied circles, Mr. Temer’s austerity measures are igniting a fierce debate over how the richest and most powerful Brazilians are protecting their wealth and privileges at a time when much of the country is enduring a harrowing economic decline.

“This government talks about austerity for everyone, but of course forces the costs on society’s most vulnerable people,” said Giovana Santos Pereira, 25, a schoolteacher. “It’s ridiculous to the point of being tragic.”

Much of the ire revolves around the centerpiece of Mr. Temer’s austerity drive: his success in persuading the scandal-ridden Congress to impose a cap on federal spending for the next 20 years.

Mr. Temer, who rose to power last year after supporting the impeachment of his predecessor, Dilma Rousseff, says the cap, which would limit the growth in spending to the rate of inflation, is needed to scale back ballooning budget deficits.

Investors have applauded the measure as a turning point for Latin America’s largest economy. But critics are lashing out at the spending cap, saying it could harm the poor for decades to come, especially in areas like education. Philip Alston, the United Nations special rapporteur on extreme poverty and human rights, said the spending cap placed Brazil “in a socially retrogressive category all of its own.”

The debate is all the more caustic because Mr. Temer’s government is resisting calls to raise taxes on wealthy Brazilians, who still enjoy what some economists describe as one of the most generous tax systems for the rich among major economies.

For instance, Brazilians remain exempt from paying any taxes at all on dividends from stock holdings, and they can easily use loopholes to significantly lower taxes on other sources of income.

Economists at the government’s Institute of Applied Economic Research said in a 2016 study that a 15 percent tax on dividends could generate nearly $17 billion in revenue a year, but such proposals have failed to gain traction in a government that has shifted to the right.

“The system is engineered to perpetuate inequality, and Temer is doubling down on bets that Brazil needs Greek-style austerity,” said Pedro Paulo Zahluth Bastos, an economist at the University of Campinas, drawing parallels between Brazil’s multiyear slowdown and Greece’s seemingly interminable economic crisis.

Mr. Temer has not been a popular president, and his approval ratings stand at just 10 percent. But his supporters point out that his leftist predecessor, Ms. Rousseff, sought her own austerity measures before her ouster last year, and that his government has promised to maintain some widely popular antipoverty programs expanded by her party years ago.

Mr. Temer’s government says it is reversing the free-spending ways of previous governments. Brazil’s economy shrank about 4 percent in 2016, when its political class was consumed by infighting over the impeachment. But last month, the finance minister, Henrique Meirelles, claimed that “the recession has ended.”

President Michel Temer of Brazil aims to impose a cap on federal spending for the next 20 years.

Some promising signs of a recovery may be emerging. Foreign investment has increased and, after performing poorly, Brazil’s stock market was one of the best performing in the world in 2016, creating a windfall for the relatively prosperous Brazilians who put money into equities. Mr. Temer is especially bullish, predictingthat the economy will grow 3 percent next year.

But the conditions on the streets of cities around Brazil tell a different story, reflecting devilishly complex structural challenges as millions of Brazilians fall into poverty.

States are facing crippling strikes by public employees over unpaid or inadequate salaries. In the state of Espírito Santo, in southeast Brazil, a police strike last month produced an anarchic week marked by looting and a surge in homicides.

Rio de Janeiro, which hosted the Olympics in August, showcases the complex issues Brazil’s states face. In desperate efforts to slash deficits, the authorities in Rio are shutting down restaurants that provide subsidized meals to the poor, raising taxes on residential electricity service and eliminating welfare programs for the state’s poorest residents.

Yet Rio’s governor, like his counterparts in other Brazilian states, enjoys the use of a private jet for jaunts around the country. And Rio’s judges, already well paid, were pressing ahead with plans to spend millions of dollars hiring new servants for their chambers — until the public got wind of the plan. The ensuing outrage forced the judges to shelve the idea.

At the same time, the state is having trouble finding money to pay for food for the poor. The cost — about 65 cents a meal — was straining the state enough that one state legislator, Pedro Fernandes, suggested taking meals “every other day.”

“I don’t know if what I’m saying is absurd, but it’s something to ponder,” he said.

The ability of elected officials and elite public employees to secure what Brazilians call “super salaries” and outsize benefits for themselves has long been a contentious feature of the country’s political system.

But while Brazilians fume over the issue at a time of national belt-tightening, some officials say they are entitled to special treatment. Brazilian judges, who can easily make about $200,000 a year, have been especially outspoken in demanding raises in a country where roughly half the population scrapes by on a minimum wage of about $4,000.

“There’s no shame whatsoever in this,” Ricardo Lewandowski, a Supreme Court justice, recently told a conference of judges to a round of applause. “Building maintenance fees go up, real estate taxes go up, gasoline goes up, food goes up, and the judge’s salary can’t go up?”

As many poor and middle-class Brazilians absorb the brunt of austerity policies, the protracted economic slowdown and a dizzying array of graft scandals involving the nation’s political leaders are fueling anti-establishment sentiment ahead of presidential elections in 2018, paving the way for figures outside the mainstream to gain momentum.

Alarming some politicians, Jair Bolsonaro, an ultranationalist congressman who excoriates immigrants and defends the torture of drug traffickers, is polling well ahead of traditional contenders like Aécio Neves, a senator from the Brazilian Social Democracy Party.

According to a survey last month by MDA, a Brazilian polling company, just 1 percent of respondents said they would vote for Mr. Temer, reflecting his dismal nationwide standing. It may not even matter, since Mr. Temer’s conviction for violating campaign finance limits could make him ineligible to run. His popularity sustained another blow in recent days after his government spent thousands of dollars to upgrade the president’s luxurious residence, only for Mr. Temer to move his family back to another government-owned palace in the capital, Brasília.

The poll was conducted from Feb. 8 to 11 through interviews with 2,002 people, with a margin of sampling error or plus or minus 2.2 percentage points. It also showed a former president, Luiz Inácio Lula da Silva, as a potential front-runner.

But Mr. da Silva, a leftist who has been condemning Mr. Temer’s austerity measures, could also find himself ineligible to run if he is convicted of graft charges in connection with his ties to construction companies that profited from public contracts.

Given the volatile political landscape and the weak economy, a sense of hopelessness afflicts many Brazilians.

Ana Cristina Silva, 49, lost her job in December at a company in the southern city of Porto Alegre that assembles furniture.

“They just think about themselves,” she said about Mr. Temer’s government, expressing indignation about the pay increases granted to some public employees while much of the country is still reeling. “It’s absurd. Those who don’t need it get a raise.”

Correction: March 22, 2017
An article and a picture caption on March 4 about the privileges and wealth enjoyed by Brazil’s richest and most powerful citizens at a time when much of the country is enduring a harrowing economic decline misidentified the recipients of a raise in the country’s public sector. Civil servants in the judicial branch, not judges, received a 41 percent raise.

Sonegação Fiscal, o Esporte Predileto das Elites

Em época de austeridade fiscal e de reformas impopulares como a da Previdência, o combate à sonegação, que passa de R$ 400 bilhões ao ano no Brasil, é deixado de lado, escreve Tomás Rigoletto Pernías, doutorando em Desenvolvimento Econômico pelo Instituto de Economia da Unicamp, em artigo publicado por Brasil Debate, 25-04-2017: “Sonegação fiscal, o esporte predileto das elites” Veja também em IHU de 26 de abril de 2017.

Eis o artigo.

Em tempos de crescente desigualdade social, desemprego, rebaixamento dos salários, corte nos benefícios sociais e precarização dos serviços públicos, é imperioso frisar que há uma alternativa para a agenda de austeridade imposta pelo governo. Repetir o mantra “não há alternativa”, TINA – “There is no alternative“, também é, por seu turno, uma escolha.

O combate à sonegação fiscal, alternativa pouco lembrada pelos parlamentares quando o assunto concerne à arrecadação fiscal, passa ao largo da agenda governamental. Cumpre lembrar que o recém-eleito presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, ainda em 2016, procurou inviabilizar a continuidade da CPI do CARF,(Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) em clara tentativa de blindar investigações que miravam os grandes empresários e suas relações promíscuas com o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais.

Estima-se que, somente em 2013, o valor de impostos sonegados no Brasil tenha atingido R$ 415 bilhões. No ano seguinte, em 2014, o valor sonegado chegou aos R$ 500 bilhões. Tampouco em 2015, com o ex-ministro da fazenda Joaquim Levy – mãos de tesoura – e seu suposto rigor fiscal, o assunto foi tratado de maneira diferente, uma vez que a sonegação ultrapassou os R$ 420 bilhões.

Querido pelo mercado financeiro e bem visto pelos grandes veículos de comunicação, o atual ministro da Fazenda Henrique Meirelles parece ignorar que o combate à sonegação é uma alternativa viável às práticas de austeridade econômica. Em 2016, estimou-se que, novamente, R$ 500 bi foram sonegados.

Entretanto, mesmo após as experiências fracassadas dos países que optaram pelas vias da austeridade depois da crise de 2008, os parlamentares brasileiros aprovaram a PEC 55, que congelou por 20 anos os gastos do governo federal. O descaso relacionado à cobrança de recursos públicos afeta diretamente a previdência – alvo da vez – com somas que atingem R$ 426 bilhões devidos ao INSS por diversas empresas.

Em 2017, a sangria persiste: aproximadamente 158 bilhões sonegados. Neste mesmo ano, o ministro Henrique Meirelles sinaliza uma possível elevação de impostos, ao contrariar os anseios da notória campanha realizada pela FIESP – “não vou pagar o pato”. O motivo: evitar o descumprimento da meta fiscal e contornar a frustração da receita pública. Além disto, observa-se que o sistema tributário brasileiro, que já pune desproporcionalmente a população pobre, é marcado por seu caráter regressivo e injusto – como bem observado pelo colega Juliano Gourlarti em artigo publicado no Brasil Debate.

A sonegação também é um esporte praticado em outros países. Nos EUA, o Internal Revenue Service (agência norte-americana responsável pelo recolhimento dos impostos) estima que o net tax gap médio (diferença que nunca será recuperada entre o valor que deveria ser recolhido e o valor efetivamente recolhido) anual entre 2008-2010 seja de U$406 bilhões. Neste ínterim, Donald Trump procura desmantelar iniciativas como o Obamacare,ao dificultar ainda mais o acesso da população pobre ao sistema de saúde norte-americano, caracterizado por seus custos elevados em comparação com outros sistemas de saúde de países desenvolvidos.

No Reino Unido, em 2013: £119.4 bilhões foram estimados para o tax gap – a soma dos impostos não pagos, impostos evitados e a sonegação. Autoridades oficiais apontam um valor menor, mas ainda significativo. Entrementes, o National Health Service – sistema de saúde público inglês – sofre com os cortes promovidos pela austeridade fiscal, deteriorando a qualidade da oferta de serviços de saúde.

Para além das pessoas físicas que podem contratar serviços de “planejamento tributário” para seus impostos, o que dizer de empresas como a Apple, Google e empresas farmacêuticas, que surfaram em inovações tecnológicas criadas e financiadas pelo Estado – com o dinheiro de impostos dos contribuintes norte-americanos – mas que agora abusam de créditos fiscais/tributários e procuram fugir de suas obrigações fiscais? “Stay hungry, stay foolish” ?!? Mariana Mazzucato, em seu livro O Estado Empreendedor – Desmascarando o Mito do Setor Público Vs. o Setor Privado, explora a questão e demonstra como as grandes empresas que se apoiaram em recursos públicos estão falhando em dar a devida contrapartida à sociedade.

Cabe questionar: a quem interessa a sonegação e a morosidade com a cobrança dos impostos devidos? Ao trabalhador formal, certamente que não, posto que seu imposto de renda é retido na fonte. O escândalo recente “Panamá papers”, ao flagrar graúdos da política e mundo empresarial envolvidos em “contabilidade criativa” e alocação de recursos em paraísos fiscais, prova que a sonegação favorece a classe alta – em evidente detrimento do grosso da população.

É fundamental salientar que há uma alternativa aos descaminhos da austeridade fiscal. Para além de perseguir uma estratégia que priorize o crescimento econômico – sem o qual não haverá recuperação das receitas fiscais – é urgente a criação de um sistema tributário que combata a desigualdade e a sonegação.

A mesma mão que taxa pesadamente os pobres parece acariciar o bolso dos ricos. Essa mão não é invisível.

Afinal de contas, existe (ou não) almoço grátis?

https://leonardoboff.wordpress.com/2017/04/26/haveria-solucao-para-a-previdencia-cobrar-os-bilhoes-sonegados/

Considerações e estatísticas sobre a Operação Carne Fraca

Reportage de O Cafezinho.com

O problema da Operação Carne Fraca é o seguinte:

A Polícia Federal esqueceu que a sua função é proteger o cidadão, as empresas nacionais e o governo. Proteger o cidadão (e seu emprego!) contra fraudes, as empresas nacionais contra fraudadores, e o governo contra corruptos. A PF, ao invés disso, inverteu seu papel: tornou-se uma espécie de agência adversária da sociedade. Sua meta tem sido agredir o cidadão, destruir empresas e derrubar governos.

Se a PF identificou, há mais de dois anos, que havia problemas no mercado de carne, deveria ter alertado o governo, as empresas e os cidadãos, para que ninguém tivesse prejuízo. O governo não seria vítima de mais um processo de instabilidade, as empresas não estariam sujeitas a prejuízos bilionários, e os cidadãos não se arriscariam a consumir produtos de qualidade duvidosa.

É o mesmo problema que vimos na Operação Lava Jato. Enquanto os serviços de segurança de outros países entendem que sua missão é proteger as empresas nacionais e defender os interesses do país, o nosso sistema de repressão vê tudo com as lentes de um agente inimigo. E agora, para se defender das críticas, a PF provavelmente se sentirá forçada a promover uma “campanha” contra o setor de carne, emulando a estratégia de destruição que fez na Lava Jato.

Alguns protestaram contra as preocupações de ordem econômica levantadas por analistas: ora, disseram eles, vocês queriam que o brasileiro continuasse comendo carne estragada? Em primeiro lugar, sem exageros. A PF encontrou problemas em 21 unidades, num total de quase cinco mil empresas, e suspeita de crimes praticados por 33 servidores, num universo de 11 mil funcionários do Ministério da Agricultura. Não há notícia, até agora, de que a PF mandou recolher algum tipo de carne. As denúncias de “carne estragada”, portanto, estão apenas no campo da especulação, com base em conversas reservadas entre executivos.Uma das denúncias, de que uma empresa misturava “papelão” às carnes, parece já ter caído por terra. Foi “mal entendido” da PF, que divulgou uma gravação, em que um executivo falava, na verdade, da embalagem do produto.

Um mal entendido que pode custar vários bilhões de dólares à nossa economia. Do jeito que a PF e a mídia noticiaram a operação, a população brasileira ficou alarmada e compradores da carne brasileira, do mundo inteiro, também.Ficou parecendo que a gente passou dois anos comendo carne estragada, o que não é verdade. Os frigoríficos brasileiros, em seu esforço para ganhar os mercados mais exigentes do mundo, fizeram investimentos bilionários para aprimorar a qualidade da produção brasileira de carne. As unidades têm várias certificações internacionais. O processo é inteiramente monitorado por vários países.

Ninguém é santo e não se deve pôr a mão no fogo de ninguém. Mas houve sensacionalismo irresponsável sim. A PF de Curitiba, notoriamente, queria dar outro “susto” no governo. Em virtude da personalidade do delegado responsável pela operação, que já conhecemos da Lava Jato, não seria nenhuma surpresa se essa violência toda tenha sido motivada pela obsessão psicótica de pegar Lula. Há anos que circulava a mentira, na internet, de que o filho de Lula seria um dos proprietários ocultos da Friboi. É possível que o delegado tenha suspeitado de que havia alguma veracidade nesse boato.

Não houvesse o impeachment, a PF e a mídia estariam usando essa operação como mais um instrumento para “derrubar” o governo.

Levantar o impacto econômico da operação e criticar o seu sensacionalismo é, obviamente, importante. Sem economia, não há cultura, não há política, não há impostos, não há vida. Sem economia, não teremos nem como pagar a fiscalização necessária para supervisionar a qualidade da nossa carne.

Pensando nisso, O Cafezinho fez uma ampla pesquisa, junto a órgãos oficiais do governo brasileiro e dos EUA, para a gente ter uma ideia da importância da carne para a economia brasileira.

Não se trata apenas de comércio exterior. Carne significa proteína, principal nutriente para a vida humana. Qualquer desorganização do setor poder trazer insegurança alimentar não apenas para os nossos 206 milhões de habitantes, mas para o planeta inteiro, visto que bilhões de seres humanos, em todo mundo, dependem da carne brasileira.

Além disso, a concorrência internacional é feroz. E o nosso concorrente mais direto é os Estados Unidos, país cujos órgãos de segurança trabalham afinados para defender os interesses econômicos de suas empresas. Se você ler os boletins do Departamento de Agricultura dos EUA, verá que ele está repleto de análises e sugestões sobre como as empresas americanas de carne podem superar os seus concorrentes.

Vamos às estatísticas, que trazem números atualizados, compilados com exclusividade pelo Cafezinho.

São três tabelas. A primeira mostra o ranking mundial de produção, exportação e consumo doméstico de carne. Note que o Brasil é líder nos três itens. É grande produtor, grande exportador e grande consumidor.

Com isso, o Brasil é, naturalmente, alvo da cobiça internacional pelos três motivos. Os nossos concorrentes querem reduzir a nossa exportação, para diminuir o nosso market share e aumentar o deles. Querem tomar conta da nossa produção, adquirindo nossas empresas. E querem dominar o nosso mercado interno, um dos maiores do mundo.

Não estamos falando, portanto, apenas da nossa exportação de carnes, que gerou $ 14 bilhões de dólares em 2016, ou mais de 42 bilhões de reais, mas também de um dos maiores mercados do mundo, que movimenta centenas de bilhões de reais.

Observe, na tabela 2, que as exportações brasileiras de carnes cresceram fortemente desde 2002: mais de 344%.

Considerando apenas a exportação brasileira de carnes industrializadas, houve um crescimento de mais de 200%.

Na terceira tabela, note que a carne é o nosso terceiro item de exportação mais importante. O primeiro é soja, que os estrangeiros querem dominar através da liberação, pelo governo Temer, de vendas de terras a estrangeiros.

O minério de ferro nos foi tomado pela privatização da Vale.

Falta agora dominar a indústria brasileira de carnes. Observe que o valor agregado da carne é um dos maiores entre os produtos básicos exportados. A nossa soja é vendida por 378 dólares a tonelada. O ferro é entregue lá fora a 41 dólares a tonelada. O ferro é mais barato que o contêiner onde ele vai guardado.

A carne, porém, foi vendida em 2016 pelo preço médio de $ 2.121 dólares a tonelada, se considerarmos também o produto  industrializado, e $ 2.053 dólares considerando apenas a carne em natura. É um produto caro, que gera muitos empregos, impostos e renda no Brasil.

Se considerarmos apenas a carne bovina, o preço do produto in natura exportado pelo Brasil é de mais de $ 4 mil dólares por tonelada! Repare ainda que o preço médio da carne brasileira cresceu de maneira extraordinária de 2002 até hoje, o que mostra que estamos vendendo carnes de melhor qualidade, e atingindo mercados mais nobres.

A Polícia Federal e o Judiciário, por isso mesmo, deveriam tratar o setor com muito cuidado, protegendo suas empresas, defendendo o cidadão, e evitando transformar investigações importantes em mais um fator de desestabilização política.

O Judiciário, por sua vez, ao aprisionar R$ 1 bilhão das empresas, num momento da economia em que não há crédito novo na praça e o governo aposta num “ajuste” neoliberal que neutraliza os bancos públicos, dificulta que elas resolvam seus problemas internos, o que pode levá-las a paralisar suas atividades, com consequências danosas para toda a cadeia produtiva da carne, que gera milhões de empregos diretos e indiretos.

Essa lógica da “pegadinha”, que o MPF inclusive quer transformar em regra, onde o objetivo é produzir um vilão e subsidiar a mídia com um espetáculo, não é o papel da PF ou do Judiciário. Não se espere, contudo, da imprensa brasileira, que deveria estimular um debate de ideias fundamental para evitarmos esse tipo de coisa, nenhum bom senso. A própria mídia fomentou a subversão da Polícia Federal, do MP e do Judiciário, que se tornaram agências inimigas do próprio país. A mídia só está pensando em como faturar com a crise.

A matéria mais lida na Folha trata do potencial lucro da mídia com as necessárias operações de marketing que as empresas terão de fazer para recuperar os terríveis danos causados à sua imagem…

E se todo mundo fosse Gênio

1. A produção artística iria aumentar
Na década 1970, Brian May estava cursando um doutorado em Astrofísica, analisando as propriedades da poeira interestelar, quando largou os estudos para seguir turnê como guitarrista do Queen. Ele finalmente concluiu seu curso em 2007.
Assim como May, inúmeros gênios acabariam optando pelas artes em vez das ciências. Algo semelhante já acontece hoje em dia, mas pouco sabemos sobre artistas com QI bastante elevado. No Brasil, um exemplo é Chico Buarque de Holanda, ele tem um QI de 172, considerado altíssimo! Mesmo assim, seguiu a carreira artística.

Brian May with Red Special

2. Viveríamos mais tempo
Em 1932, iniciou-se um estudo que mostrou que pessoas de QI elevado vivem mais. Na época, praticamente todas as crianças na faixa dos 11 anos de idade e moradoras de Aberdeen, na Escócia, passaram por testes para avaliar o seu quociente de inteligência. Passados 65 anos, os pesquisadores foram atrás daqueles ex-adolescentes, agora já velhinhos e com 76 anos.
Surpreendentemente, pessoas com pelo menos 15 pontos a mais do que o QI médio, que é de 100, tinham uma chance de sobrevivência 21% acima da maioria da população. Desde então, essas pessoas têm sido monitoradas e, quanto maior o QI, maior a qualidade de vida. As razões para isso ainda permanecem um mistério.
Além disso, se toda a população fosse composta de gênios, a quantidade de pessoas aptas a exercer a medicina seria ainda maior. Elas poderiam encontrar curas para doenças que ainda afetam a população e, assim, teríamos uma idade média muito mais elevada em todo o planeta.

3. O consumo de drogas seria mais comum
O senso comum é de que pessoas inteligentes são menos propensas a usar drogas, mas isso é apenas um mito: apesar dessa qualidade, nem sempre elas são mais racionais. Acredita-se que pessoas com QI mais elevado são mais curiosas em relação a tudo, por isso acabam experimentando as drogas como forma de as entender.
Em abril de 1970, a Universidade de Cardiff, no País de Gales, iniciou um estudo com 8 mil crianças nascidas na mesma semana. A cada 5 anos, elas respondiam um questionário com uma grande variedade de perguntas. Descobriu-se que aquelas com QI elevado na infância tinham o dobro de probabilidade de experimentar drogas antes dos 30 anos. E não falamos apenas de maconha, não: muitas preferem a cocaína e o ecstasy.
Porém, se muito mais pessoas usassem drogas, seria mais provável que elas fossem liberadas. Afinal, custa muito caro manter leis e programas de combate ao tráfico. Os tributos em cima da comercialização desses entorpecentes poderiam render uma grana extra para os governos.

4. O número de doentes mentais aumentaria
Existe uma ligação muito grande entre distúrbios mentais e inteligência: grandes gênios como Nikola Tesla, David Foster Wallace, Howard Hughes e Emily Dickinson sofreram de vários problemas durante a vida. Normalmente, essas pessoas têm níveis de ansiedade acima do normal.
Um estudo da Universidade de Glasgow, na Escócia, mostrou que pessoas com QI elevado também são mais suscetíveis a transtornos como a bipolaridade, por exemplo. Porém, se toda a humanidade fosse genial, seria mais provável termos especialistas em cérebro humano e descobriríamos como tratar ou até sanar vários desses distúrbios mentais.

5. A criminalidade iria diminuir
Pesquisadores encontraram evidências de que os criminosos têm uma inteligência mais baixa se comparada com a de pessoas que não cometem crimes. Acredita-se que isso seja resultado da competição entre os indivíduos, fazendo com que esses foras da lei busquem de artifícios para obter aquilo que não possuem. Por exemplo: é mais fácil, para eles, cometer um estupro do que conquistar alguém.
Entretanto, é claro que pessoas com QI mais elevado também cometem crimes. Só que, normalmente, esses atos são mais planejados e muito mais elaborados do que os cometidos por pessoas com menor quociente de inteligência. Nos tribunais, esses criminosos inteligentes ainda têm um poder de sedução maior para conseguir diminuir suas penas.
Com uma população composta apenas por gênios, a criminalidade “trivial” tenderia a diminuir. E mesmo os crimes mais elaborados seriam mais fáceis de serem solucionados, afinal todo mundo seria esperto o bastante para saber quando estivesse sendo passado para trás.

6. Teríamos menos religiosos
Antes de a polêmica se instaurar, é preciso ficar claro que ser religioso, ou não, não é sinônimo de falta de inteligência. Hoje em dia, muitas pessoas incrivelmente inteligentes seguem alguma religião. Assim, se todo mundo fosse considerado um gênio, a tendência é que menos pessoas se envolvessem com fanatismos religiosos. Muitos cientistas, hoje em dia, dizem que o ateísmo é uma furada, já que não dá para provar que Deus não existe, assim como não dá para provar que existe. Tudo é uma questão de fé. A própria Ciência também trás esse atributo. Pessoas de QI baixo tendem a acreditar em sua própria individualidade, onde não cabe a presença de um Deus.

7. Teríamos menos ódio e injustiça no mundo
Alguns estudos mostram que crianças que tinham um QI abaixo da média eram mais propensas a desenvolver atitudes oportunistas, individualistas, interesseiras e compactuantes com situações ligadas à injustiça na vida adulta. É comum entre esses tipos de indivíduos, logo na adolescência, perceberem suas dificuldades com as responsabilidades da vida, assim, passam a manipular situações e, de tal forma que nesse jogo de interesses, acabam chegando a posições sociais, quase sempre associadas a cargos privilégiados na vida pública – para eles só o céu é o limite. De fato, assumem compromissos que se revelados perderiam sua posição e como sempre chegaram a estes postos sem méritos, passam, também, a ficar reféns de seus provedores, em geral, de forma vitalícia. Por outro lado, devido a sua baixa capacidade ou total inabilidade para criar maneiras inteligentes de resolver problemas, instauram o autoritarismo como prática exercida acima da lei e da ordem. Logo, se toda a população fosse mais inteligente, é provável que esse tipo de problema acabasse diminuindo consideravelmente.  Não teríamos governos Golpistas e nem Juízes comprometidos com seus credores de valores assintóticos à verdade e à justiça.

Resultado de imagem para sérgio moro e gilmar

Mi Shell Fora Temer

O Petróleo é fonte energética fundamental ao funcionamento de toda economia capitalista. Quando se iniciou a descoberta do pré-sal no Brasil, as grandes multinacionais brilharam os olhos. O site Wikileaks já havia publicado revelações de Edward Snowden (ex-administrador de sistemas da CIA e ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional NSA dos Estados Unidos) mostrando intensa atividade de espionagem dos EUA em busca de informações que favorecessem os negócios capitalistas envolvendo o pré-sal. Longe de querer combater os interesses imperialistas, o PT logo anunciou um processo de privatização da Petrobrás à sua forma. Optaram por um formato de concessões que, contudo, continha exigência da Petrobrás como operadora única de todos os poços de exploração do Pré-Sal e participação de pelo menos 30% de cada bloco licitado. Este modelo não foi bem aceito por grandes empresas internacionais, que queriam a entrega total do pré-sal, sem nenhuma dessas exigências.

Foi então que as multinacionais tentaram articular a mudança do modelo de privatização utilizando seus representantes políticos brasileiros, como Ricardo Ferraço, senador do PMDB que chegou a se reunir com representantes da Shell neste contexto, e, sobretudo José Serra e o PSDB, que tanto agradaram com FHC nos anos 1990 e suas privatizações sem limites e seu seguimento à risca das cartilhas neoliberais do Banco Mundial e FMI. Por outro lado, o PT não deixava de se articular aos grandes empresários para garantir seus interesses. Por exemplo, abrindo leilões que foram algumas das maiores privatizações da história, como da Bacia de Libra em 2013, uma das maiores reservas do Pré-Sal. Na ocasião saíram ganhando um consórcio formado Petrobrás (com participação de 40%), ao qual aderiram a Shell (20%), a francesa Total (20%), e as empresas chinesas de petróleo China National Petroleum Corporation (CNPC, com 10%) e China National Offshore Oil Corporation (CNOOC, com 10%).

Porém, ainda que algumas outras grandes multinacionais com leilões feitos a preço de banana também tenham se beneficiado de privatizações, como a Shell, a verdade é que algumas das gigantes do petróleo seguiam uma pressão contra o modelo de privatizações adotado pelo PT, se articulando com PSDB e PMDB, como as norte-americanas Exxon Mobil e Chevron. Serra se empenhava, então, para modificar pela lei o modelo de concessões, utilizando a corrupção como argumento de suposta ineficácia de gestão na Petrobrás, para abri-la completamente ao capital estrangeiro.

Outros vazamentos de documentos pela Wikileaks mostraram que há anos José Serra se articulava com as gigantes do Petróleo em negociatas. Em documento de 2009 o então candidato a presidência negociava formas de garantir a privatização completa. Assim, desde o ano passado se intensificaram as táticas de pressão sob o argumento da corrupção para abertura da Petrobrás ao capital internacional. Com uma série de outros fatores determinantes, aqui se encontram três elementos que possuem algo em comum: a política de desgaste de Serra do PSDB e do PMDB, a operação Lava-Jato e manobras de desgaste do judiciário com apoio do “partido midiático”, e o avanço do processo de Impeachment de Dilma Roussef. O elo destes três elementos são os grandes interesses do imperialismo estadunidense e de suas multinacionais. Cada um destes atores políticos sujou suas mãos em um processo que se imbricou ao golpe institucional, e que certamente trará enormes ganhos a determinado setor do capital internacional.

Da mesma forma as ligações do juiz Sérgio Moro com o PSDB e com a Shell, e a enorme disputa entre setores da burguesia por trás das investigações seletivas da operação lava-jato. A operação Lava Jato está concentrada em três diretorias da Petrobras, porém são quatro diretorias que movimentam muitos recursos. A mais estratégica ficou blindada. Nesta operação, parte dos esquemas de corrupção que atingiam alguns empresários e políticos foi investigada, mas seguiu uma disputa entre, por exemplo, as empresas SBM, Schlumberg, Haliburton,Transocean, ligadas a destacados global players, e a empresa Sete Brasil que ameaçava seus monopólios de navios sonda.

Parte de importantes esquemas de corrupção segue sem ser golpeados, nem sequer tocados pela operação lava-jato de Sérgio Moro. Com as manobras do STF, e com a campanha feita por PMDB, PSDB, e de uma série de partidos da ordem sob a égide do combate à corrupção, se alçam agora ao poder no novo governo Temer uma camarilha de políticos envolvidos profundamente em esquemas de corrupção. Mas ao mesmo tempo se desenha uma política externa brasileira, assim como tendencialmente no conjunto da América Latina, aberta e mais diretamente subordinada aos interesses do imperialismo estadunidense, com nada mais nada menos do que Serra no Ministério das Relações e Comércio Exteriores, legítimo representante político nacional dos interesses de multinacionais como Chevron and Company.

Os atores políticos se confundem com atores econômicos, e, nas crises capitalistas nesta época imperialista, é garantido que, se por um lado um setor da burguesia sai golpeado, por outro, grandes monopólios se tornam ainda maiores, grandes milionários passam a concentrar ainda mais a riqueza do mundo. Assim como no início da crise em 2008, com os salvamentos seletivos do Federal Reserve norte americano que deixaram quebrar o banco Lehman Brothers, em beneficio de JP Morgan que crescia extraordinariamente, também nos países que agora vivem recessão econômica como o Brasil há uma reorganização das forças políticas mediante as disputas de frações do capital. Com o esgotamento das condições de governo do PT que tanto serviu ao lucro dos banqueiros, agora os grandes imperialistas encontram no governo Temer, e no novo Ministro Serra grandes aliados para seus negócios, às custas dos ataques à classe trabalhadora.

Para os trabalhadores a promessa são ataques. Corte na educação, na saúde, reforma trabalhista atacando direitos, reforma da previdência atacando aposentados, pedirão para que sangremos pelo lucro dos grandes monopólios, que paguemos pela crise. Os golpistas da Fiesp querem que almocemos com uma mão enquanto trabalhamos com a outra para que não “paguem o pato” da crise. A agenda neoliberal radical de subordinação política ao imperialismo é o que prometem os golpistas. Assim como era necessário uma luta de toda classe contra os ajustes que Dilma anunciava, agora mais do que nunca é necessário romper com as amarras das burocracias sindicais, com métodos históricos radicalizados da classe trabalhadora para impor que os capitalistas paguem pela crise, contra os cortes, contra as privatizações, e contra a precarização da vida dos trabalhadores.

Por fim, o final do Governo de Barack Obama inicia a criação de 400 cursos de Engenharia do Petróleo, destinados a algumas Universidades dos Estados Unidos. Esta nova geração de engenheiros americanos acaba de herdar a terceira maior reserva mundial de Petróleo do Planeta – perdendo apenas para as reservas da Venezuela, em primeiro lugar e a Arábia Saudita, em segundo -, até hoje já descoberta e com todos os méritos de credibilidade e dos investimentos do Governo Lula – Presidente brasileiro que mesmo sem nenhuma instrução formal na escola tradicional, conseguiu levar o país a uma das maiores potências mundial em termos de soberania energética. Da mesma forma, os Estaleiros da Costa Oeste dos States começam a se reorganizar para entrar em atividade, parados desde a Second War, para realizar o transporte de 450.000.000.000 de metros cúbicos de óleo bruto do pré-sal em território brasileiro, submerso a 7 km de profundidade. Só para se ter uma ideia da quantidade de navios que serão necessários, imaginem-se: Uma piscina Olímpica tem aproximadamente 1.000 metros cúbicos de volume e isso é a carga de um Petroleiro. As reservas de Tupy e Libra somam juntas 450.000.000 de piscinas Olímpicas. Com isso, é possível calcular a quantidade de navios que deverão ser construídos pela indústria naval americana. Os jovens brasileiros que iam à escola, enquanto seus pais iam as ruas, manipulados pelos meios de comunicação, pedir que tirassem um Governo eleito democraticamente pela maioria do voto popular, como resposta terão o infortúnio de dar lugar a sua vida profissional, a um também agora estudante Norte Americano que estava indo à escola naqueles dias. Aquele Governo deposto, se tinham falhas! Pelo menos sempre soube como tratar a soberania nacional, desde seu projeto de construção. Outrossim, deram lugar aos planos da Agencia de Inteligência Americana CIA, articulada com brasileiros Traidores da Pátria, vendidos ao Government of North America, a peso de muito Dollar, como é o caso de toda essa Cúpula que envolve: um Presidente ilícito, vários Juízes e muitos Políticos Criminosos – escolhidos para serem os Atores do Golpe, produção Rede Globo de Comunicação e Manipulação, em troca de seu perdão na sonegação bilionária de impostos. A isso, não existe outra palavra para ser testemunhada na História do Brasil, a não ser “Golpe de Estado de 2016” contra a Soberania Nacional e suas Gerações Futuras.

Sociedade Brasileira de Física divulga manifesto contra PEC 55 e retrocessos na ciência e na educação

O conselho da Sociedade Brasileira de Física (SBF) publicou carta aberta em que se manifesta contra a situação da ciência e da tecnologia, a reforma do ensino médio (MP 746) e a PEC 55, do congelamento de gastos federais. No documento, a maior sociedade científica brasileira, com cerca de 13 mil associados entre pesquisadores, professores e estudantes de física, ressalta profunda preocupação com o atual quadro político, econômico e social, e seus impactos no setor.

A entidade critica a redução dos recursos. Neste ano houve o valor mais baixo dos últimos dez anos, 52% menor do que aqueles investidos em 2010 (R$ 9,6 bilhões), em um período em a C&T (ciência e tecnologia) cresceu significativamente em número de pesquisadores, de artigos científicos publicados e patentes.

A recente reestruturação do ministério, sem consulta aos cientistas conforme havia sido prometido pelo ministro Gilberto Kassab, consolidando a extinção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), também foi criticada. Para os físicos e cientistas em geral, houve rebaixamento das mais importantes agências financiadoras da pesquisa e da inovação, o CNPq e a Finep, e a Agência Espacial Brasileira e a Comissão Nacional de Energia Nuclear, além do Departamento de Popularização e Difusão da C&T.

Confira a íntegra da carta:

O Conselho da Sociedade Brasileira de Física – SBF, reunido em 25 de novembro de 2016, considera seu dever como órgão máximo da SBF manifestar-se publicamente em relação à grave situação do país, em particular nas áreas de ciência e tecnologia e de educação. A SBF é atualmente a maior sociedade científica do Brasil, com cerca de 13.000 associados entre pesquisadores, professores e estudantes de física. Ela comemora, neste ano, seu cinquentenário de criação e, ao longo de sua história, sempre agiu e se manifestou firme e construtivamente em prol do avanço da física e do desenvolvimento científico, tecnológico e educacional do país. Externamos, com esta manifestação, nossa profunda preocupação com o atual quadro político, econômico e social, e tecemos as seguintes considerações sobre pontos que julgamos críticos para o país:


1) Os recursos para a ciência e tecnologia atingiram um patamar crítico em 2016 (R$ 4,6 bilhões), o valor mais baixo dos últimos 10 anos, 52% menor do que aqueles investidos em 2010 (R$ 9,6 bilhões). A principal fonte de financiamento às atividades de CT&I, o orçamento do MCTIC, será ainda menor no próximo ano, como previsto no Projeto de Lei Orçamentária Anual – PLOA 2017. Esta redução drástica de recursos ocorre no final de um período em que a C&T cresceu significativamente no país, segundo diversos indicadores, como o número de pesquisadores, de artigos científicos publicados e patentes. Mesmo com o corte de bolsas de iniciação científica e de pós-graduação no país e a suspensão da concessão de bolsas de pós-graduação no exterior, quase todo orçamento do CNPq está comprometido com o pagamento de bolsas, restando muito pouco para outros investimentos. A citada redução gera dificuldades sérias e crescentes para o CNPq, para a Finep e para os institutos do MCTIC no atendimento do objetivo principal dessas instituições que é promover o desenvolvimento da ciência e tecnologia no país. Recursos adicionais recentes, que possibilitaram o pagamento de diversos compromissos em atraso, nem de longe resolveram a situação crítica do CNPq. Apenas 101 propostas de Institutos Nacionais de C&T (INCTs) serão financiadas, mas todas as 253 propostas aprovadas no mérito deveriam sê-lo, sob o risco de prejudicar significativamente a CT&I no Brasil o que, em consequência, terá um impacto muito negativo para a ciência brasileira e para sua maior e necessária internacionalização. O Programa INCT, pela grande relevância para o país, deveria ser considerado uma política de Estado prioritária, ainda mais que é realizado em parceria com as FAPs estaduais.

Por outro lado, o orçamento da Capes, uma agência fundamental para a pós-graduação e a pesquisa no país, atingirá em 2017 o seu nível mais baixo, desde 2013. O orçamento, que alcançou R$ 7,3 bilhões em 2015, terá no próximo ano cerca de R$ 4,8 bilhões.  Vários programas importantes do MEC para as escolas e para a formação de professores tiveram também seus recursos muito diminuídos, como os editais para feiras de ciência e olimpíadas de ciências (a SBF coordena as olimpíadas brasileiras de física),que, em 2016, atingiram os valores mais baixos dos últimos anos. Neste contexto deve-se também citar o corte de bolsas de mestrado e doutorado já realizado pela CAPES ao longo deste ano.


2) Apesar dos protestos da comunidade científica brasileira, por meio de suas entidades representativas como a SBF, a SBPC, a ABC e outras, em relação à extinção/fusão do MCTI, o processo se concretizou com a criação do MCTIC. A sua recente estruturação, realizada sem que fosse cumprida a promessa do Ministro Kassab de consultar a comunidade científica, feita em reunião com entidades científicas em São Paulo, significou um grave retrocesso para a área de CT&I. Ela consolidou a criticada fusão com o Ministério das Comunicações, tendo promovido o rebaixamento das mais importantes agências financiadoras da pesquisa e da inovação, o CNPq e a FINEP, e fez o mesmo com a AEB e CNEN, ao quarto nível hierárquico do ministério. Ocorreu, ainda, a extinção da Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social – SECIS e o rebaixamento do Departamento de Popularização e Difusão da C&T à categoria de coordenação. A atitude do governo federal de conduzir tal modificação à revelia da comunidade científica brasileira, aliada aos acentuados cortes de recursos, evidenciam o descaso deste governo em relação ao desenvolvimento científico e tecnológico do país, e atestam, de fato, que a área não é uma prioridade nas atuais políticas governamentais.

3) Na área educacional, a reforma do Ensino Médio proposta pelo governo por intermédio da Medida Provisória 746/2016, encaminhada ao Congresso Nacional, constitui um procedimento totalmente inadequado para promover o debate e a mobilização nacional, que são necessários para enfrentar um desafio tão complexo e que envolve milhões de estudantes, professores, profissionais da educação, pais e outros atores. Como já manifestado anteriormente em nota da SBF,  a reforma proposta pelo governo, feita de forma açodada, significará um retrocesso e não atenderá às necessidades prementes de melhoria na qualidade de ensino e de redução da evasão escolar. Julgamos que a MP 746 deve ser revogada e que se proceda a discussões sobre a reformulação do Ensino Médio na forma de um Projeto de Lei que garanta a participação efetiva de todas as instituições, entidades e profissionais envolvidos. A SBF, assim como outras sociedades científicas vinha, desde 2015, participando das discussões sobre a educação básica, como a formulação de uma Base Nacional Comum Curricular; no entanto, as entidades científicas e educacionais foram colocadas à margem deste debate de políticas educacionais. Uma questão que traz grande preocupação à SBF, e que deve ser considerada com a devida responsabilidade, é a situação crítica do financiamento às universidades públicas.


4)  A aprovação da PEC 55 (antiga PEC 241), em trâmite no Senado Federal, terá um efeito desastroso para o desenvolvimento científico e tecnológico e para a educação no Brasil. Se aprovada ela limitará à taxa da inflação, pelos próximos 20 (vinte) anos, o crescimento dos gastos públicos. No caso da ciência e tecnologia, o orçamento do MCTIC ficará congelado no valor mais baixo dos últimos 15 anos, e que já é hoje claramente insuficiente. Tal emenda, que altera profundamente disposições constitucionais, está sendo levada à frente sem ter sido debatida com a sociedade ou submetida ao crivo democrático da população brasileira. Ao congelar por duas décadas os investimentos públicos para ciência e tecnologia, educação, saúde e outras áreas sociais, a PEC 55 coloca em sério risco o futuro da educação e da pesquisa nas universidades e instituições públicas de pesquisa, bem como afeta direitos sociais de grande parte da população brasileira.


O programa econômico e político, denominado “Uma Ponte para o Futuro”, que o governo atual busca implementar no país, e que não resultou de um processo de debate democrático com a sociedade brasileira, não menciona nem uma vez, em toda a sua extensão, a palavra “ciência”. É sabido que as medidas econômicas propostas, onde foram implantadas, levaram à contenção de investimentos e ao aumento da vulnerabilidade social.  Países mais desenvolvidos ou com desenvolvimento acelerado estão fazendo exatamente o oposto do que faz o governo federal: investem mais em ciência e tecnologia para fortalecer suas economias, gerar inovações e superar os momentos de crise e de recessão econômica.


5) A SBF considera essencial a garantia dos princípios humanos fundamentais sobre os quais se edifica uma sociedade democrática. Neste sentido, expressa sua preocupação com as recentes notícias de violência em manifestações públicas pelo país, particularmente em relação a professores e a estudantes secundaristas e universitários. A violência e uso desnecessário de força, que cerceiam a liberdade de expressão e a manifestação cidadã, não são compatíveis com a democracia.  Destacamos a importância de ser respeitado o estado de direito, e particularmente a Constituição Federal, bem como a diversidade e os deveres e direitos de cidadania dos brasileiros, e de fortalecer a democracia no país.


Ao apresentar publicamente sua posição em relação a estes cinco pontos, o Conselho da SBF o faz com a certeza de que Sociedade Brasileira de Física é uma entidade científica com responsabilidade diante de seus associados e da sociedade brasileira e comprometida com a construção de um futuro melhor para o Brasil. Reiteramos a importância e competência da SBF e de seus associados, em sua área de atuação, e nos manifestamos dispostos a participar dos debates sobre a situação atual do país, buscando contribuir com soluções e alternativas para o aprimoramento das políticas públicas nas áreas de ciência e tecnologia e de educação.

“Houve um Golpe de Estado no Brasil!” Que Parte Você Não Entendeu, Coxinha?

Brasilien 2016:  Die Rückkehr zu einer Zeit dar, die wir politisch und verfassungsrechtlich hinter uns zu haben gedachten (O retorno a tempos que julgávamos superados na democracia constitucional e política de nosso País). 

Brasília, am 6. Dezember 2016.

Sr. Prof. Dr. Markus Pohlmann
Instituto de Sociologia Max Weber
Universidade de Heidelberg/Alemanha.

erlauben Sie uns eine kurze Vorstellung. Wir sind Historiker, Politologen und Rechtsprofessoren von verschiedenen brasilianischen öffentlichen und privaten Hochschulen, in den Bereichen der Rechtstheorie, Verfassungshermeneutik, Verfassungsrecht, Straf- und Strafprozessrecht, und Wirtschaftrecht. Wir haben viele Jahre wissenschaftlicher Tätigkeit hinter uns und werden weiterhin die Ereignisse in unserem Land beobachten, vor allem während und nach dem Staatsstreich an unsere junge Demokratie vom April bis August 2016. Mit dem gleichen wissenschaftlichen Interesse und als Bürger, die das Ende der militärischen Herrschaft von 1964 bis 1985 immer noch nicht verdaut haben, verfolgen wir aufmerksam die sogenannte “Operação Lava Jato” (auf Englisch „Operation Carwash“), sowie die Rolle der Justiz und der Staatsanwaltschaft in Brasilien. Auf diesem Weg haben wir die Leistung des Herrn Bundesrichters Sérgio Fernando Moro und der Mitglieder der Bundesstaatsanwaltschaft aufmerksam mitverfolgt.

Wir waren überrascht, als wir erfuhren, dass Sie und Ihre renommierte Universität Heidelberg den Bundesrichter Sérgio Fernando Moro eingeladen und ihn als “Korruptionsbekämpfer” für die Konferenz am 9. Dezember 2016 bezeichnet hatten. Die von Herrn Bundesrichter Sérgio Moro verfassten Entscheidungen haben dazu beigetragen, den Sturz einer legitimen Regierung erst zu ermöglichen und auf diese Weise hat er den schlimmsten undemokratischen Interessen gedient, wie wir hier zusammenfassend darstellen:

– Richter Sérgio Moro verfolgt offenbar nur ein Ziel: den Ex-Präsidenten Luis Inacio Lula da Silva festzunehmen. Im März 2016 verfügte er über eine illegale Zwangsvorführung des ehemaligen Präsidenten Luis Inacio Lula da Silva. Die Sache wird derzeit vom Menschenrechtsausschuss des internationalen Paktes für bürgerliche und politische Rechte untersucht;

– Richter Sérgio Moro veröffentlichte abgehörte Telefongespräche zwischen Lula und Präsidentin Rousseff wenige Stunden vor Lulas Ernennung zum Präsidentenamtsminister und damit verfolgte er allein politische Zwecke. Diese kriminelle Veröffentlichung der Abhörungsprotokolle bezüglich der Telefongespräche der damaligen Präsidentin von Brasilien und das Senden dieser Gespräche an die Rede Globo TV lassen kein Zweifel an der Parteilichkeit des Bundesrichters;

– Richter Sérgio Moro stützt seine Verfügungen über willkürliche, vorläufige Festnahmen nicht an die Verfassung und an den Gesetzen der demokratischen Rechtsstaatlichkeit, sondern an den medialen Auswirkungen der von ihm zugelassenen Operationen, wie er selbst im Jahr 2004, in seinem Aufsatz mit dem Titel “Operation Mani Pulite” über die Operation in Italien erkannt hat;

– Richter Sérgio Moro hat von der Rede Globo TV Auszeichnungen und Ehrungen erhalten und hat in ihrem Nachrichtenmagazin offen politische Stellung gegen die Regierungen von Präsidenten Luis Inacio Lula da Silva und Dilma Rousseff genommen;

– mit Verstoß gegen die Verfassung, den Bundesgesetzen und der nationalen Souveränität, liefert Richter Sérgio Moro empfindliche Informationen an die Gerichtsbarkeit der Vereinigten Staaten von Amerika und unterhält sich mit Beamten der dortigen Heimatschutzbehörden über die Fortschritte brasilianischen Prozesse, so dass brasilianische Angeklagte dazu gezwungen werden, Kooperationsvereinbarungen mit der Justiz der Vereinigten Staaten von Amerika auf Kosten der nationalen Interessen der brasilianischen Unternehmen abzuschließen.

Es gibt in den Ermittlungs- und Strafverfahren im Rahmen der “Operação Lava Jato” viel Missbrauch, viele Rechtswidrigkeiten und eine enorme Voreingenommenheit seitens des Herrn Richters Sérgio Moro, zugunsten der Opposition des rechten Lagers in Brasilien und gegen die Regierungen der vergangenen 13 Jahren.

Sehr geehrter Herr Prof. Dr. Pohlmann, viele andere Einzelheiten würden nicht in diesem Brief passen, aber jeder von uns wäre bereit, Sie mit Dokumenten zu erleuchten. Die prominenteste Rolle des Richters Sérgio Moro war sein entscheidender Beitrag zum Putsch, der im August 2016 mit dem Sturz von Präsidentin Dilma Rousseff endete. Verbunden mit leistungsfähigen Medienbaronen Brasiliens, hat Sérgio Moro zusammen mit dem Justizsystem und die Bundesstaatsanwaltschaft es fertiggebracht die brasilianische Demokratie zu besiegen. Sie schafften es in Brasilien, das politische Klima des Faschismus und der politischen Intoleranz zu installieren. Sie selbst, Prof. Pohlmann, sowie alle von uns, die diesen Brief unterzeichnen, wissen alle, wie die Justiz für den richtigen Schein der Legalität und der Verfolgung politischer Gegner verwendet werden kann.

Aus diesen Gründen, Prof. Dr. Markus Pohlmann, halten wir es nicht für angebracht, dass Ihr Gast als „Korruptionsbekämpfer” zu bezeichnet wird. Im Gegenteil, stellt er die Rückkehr zu einer Zeit dar, die wir politisch und verfassungsrechtlich hinter uns zu haben gedachten.

Hochachtungsvoll,



Brasília, 6 de dezembro de 2016.

Sr. Prof. Dr. Markus Pohlmann
Instituto de Sociologia Max Weber
Universidade de Heidelberg,

permita-nos uma breve apresentação. Somos professores de História, Ciência Política e Direito de distintas Universidades brasileiras, públicas e privadas, com atuação nas áreas de Teoria do Direito, Hermenêutica Constitucional, Direito Constitucional, Direito Econômico. Direito Penal e Processual Penal. Temos muitos anos de atividade científica e acompanhamos com atenção os acontecimentos em nosso País, especialmente durante e depois do golpe sofrido por nossa jovem democracia de abril a agosto de 2016. Com o mesmo interesse científico, e como cidadãos que viveram ainda o final da ditadura militar brasileira de 1964-85, seguimos de perto a assim chamada “Operação Lava Jato”, bem como o papel desempenhado pelo Poder Judiciário e Ministério Público brasileiros. Desta maneira, seguimos com proximidade a atuação do Juiz Federal Sérgio Fernando Moro e dos membros do Ministério Público Federal que o acompanha nos processos penais relativos à mencionada “Operação Lava Jato”.

Surpreendeu-nos que o Sr. e sua prestigiada Universidade de Heidelberg tenha convidado o Juiz Federal Sérgio Fernando Moro, na condição de “lutador contra a corrupção” para conferência no dia 09 de dezembro de 2016. O Juiz Federal Sérgio Moro incorreu em posturas as quais foram determinantes para o clima político de derrubada de um governo legítimo, servindo, desta forma, aos piores interesses antidemocráticos, a seguir enumerados:

– o Juiz Sérgio Moro ordenou a ilegal condução coercitiva do Ex Presidente Luís Inácio Lula da Silva em março de 2016;

– o Juiz Sérgio Moro criminosamente tornou pública escuta telefônica da então Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, enviando gravações de conversas para a Rede Globo de Televisão. A Rede Globo apoiou todos os movimentos autoritários do Brasil, desde 1964;

– o Juiz Sérgio Moro fundamenta suas decisões de arbitrárias prisões provisórias não na Constituição e nas Leis do Estado Democrático de Direito; porém na repercussão midiática de sua atuação, conforme as palavras do próprio Juiz em texto de sua autoria publicado em 2004, sobre a “Operação Mani Pulite”, ocorrida na Itália nos anos 90;

– o Juiz Sérgio Moro recebe prêmios e honrarias da Rede Globo de Televisão, comunica-se por mensagens eletrônicas com jornalistas desta Televisão, em franca oposição aos governos de Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff;

– violando Constituição, Leis e a soberania nacional, o Juiz Sérgio Moro entrega informações à justiça dos Estados Unidos da América, com quem dialoga frequentemente, sobre andamento de processos brasileiros, permitindo que réus brasileiros firmem acordo de colaboração com a justiça dos Estados Unidos da América, em detrimento do interesse das empresas nacionais brasileiras.

Há uma infinidade de abusos, ilegalidades e parcialidades em favor da oposição reacionária no Brasil, e contra os governos populares dos últimos 13 anos, praticadas pelo Juiz Sérgio Moro nos processos envolvidos no âmbito da “Operação Lava Jato”. Prezado Prof. Dr. Pohlmann, seriam muitas as particularidades que não caberiam nesta carta, mas qualquer um de nós estaria disposto a esclarecer-lhe, com documentos. O mais destacado no papel do Juiz Sérgio Moro foi sua contribuição decisiva para o golpe que começou em maio, e culminou em agosto de 2016 com a destituição da Presidenta Dilma Rousseff. Articulado com poderosos barões da mídia brasileira, Sérgio Moro, o Poder Judiciário e o Ministério Público Federal conseguiram derrotar a democracia brasileira; conseguiram instalar no Brasil o clima político de fascismo e intolerância política. O Sr., assim como todos nós que assinamos esta carta, bem conhecemos como pode ser o Direito utilizado para aparência de legalidade e para perseguição de adversários políticos.

Por tais razões, Prof. Dr. Markus Pohlmann, julgamos conveniente adverti-lo de que seu convidado não representa a luta contra a corrupção no Brasil, não representa o fortalecimento da democracia no Brasil. Ao contrário: representa o retorno a tempos que julgávamos superados na democracia constitucional e política de nosso País.

Com nosso profundo respeito.

Alexandre Melo Franco de Moraes Bahia – UFOP – Bundesuniversität Ouro Preto/Minas Gerais
André Karam Trindade – FG – Fakultät Guanambi/Bahia
Antônio Gomes Moreira Maués – UFPA – Bundesuniversität Pará
Beatriz Vargas Ramos Rezende – Universität Brasília – UnB
Carol Proner – UFRJ – Bundesuniversität Rio de Janeiro
Cynara Monteiro Mariano – UFC – Bundesuniversität Ceará
Emílio Peluso Neder Meyer – UFMG – Bundesuniversität Minas Gerais
Enzo Bello – UFF – Bundesuniversität Fluminense/Rio de Janeiro
Eugênio Guilherme Aragão – UnB – Universität Brasília
Fábio Kerche – FCRB – Haus-Rui-Barbosa-Stifitung/Rio de Janeiro
Felipe Braga Albuquerque – UFC – Bundesuniversität Ceará
Gilberto Bercovici – USP – Universität São Paulo
Gisele Citadino – PUC/Rio – Pontifikale Katholische Universität Rio de Janeiro
Gustavo César Cabral – UFC – Bundesuniversität Ceará
Gustavo Ferreira dos Santos – UFPE – Bundesuniversität Pernambuco/ UNICAP – Katholische Universität Pernambuco
Gustavo Raposo Feitosa – UFC – Bundesuniversität Ceará/UNIFOR – Universität Fortaleza
Jânio Pereira da Cunha – UNIFOR – Universität Fortaleza/UNICHRISTUS – Universität Christus
José Carlos Moreira da Silva Filho – PUC/RS – Pontifikale Katholische Universität Rio Grande do Sul
José Ribas Vieira – UFRJ – Bundesuniversität Rio de Janeiro
José Luiz Bolzan de Moraes – UNISINOS – Universität Vale-Rio-dos-Sinos/Rio Grande do Sul
Juliana Neuenschwander Magalhães – UFRJ – Bundesuniversität Rio de Janeiro
Jurandir Malerba – UFRGS – Bundesuniversität Rio Grande do Sul/ FU – Freie Universität Berlin
Marcelo Cattoni – Bundesuniversität Minas Gerais
Margarida Lacombe Camargo – UFRJ – Bundesuniversität Rio de Janeiro
Martonio Mont’Alverne Barreto Lima – UNIFOR – Universität Fortaleza
Newton de Menezes Albuquerque – UFC – Bundesuniversität Ceará/UNIFOR – Universität Fortaleza
Willis Santiago Guerra Filho – UNIRIO – Bundesuniversität des Landes Rio de Janeiro/ PUC/SP – Pontifikale Katholische Universität São Paulo